O que elas querem, afinal?

O que elas querem, afinal? O que elas sentem quando inflam seus peitos com palavras de ordem subjugando a nossa masculinidade e a reduzindo a meros segmentos culturais? São elas todas as mulheres do mundo contra todos os homens da face da terra? Uma conspiração inflamada desconstruindo todo um projeto de planeamento sustentado pelos costumes e afeições de uma espécie de gênero agora a beira da extinção social por vias morais atreladas em um conluio direto com o legislativo e o judiciário desestabilizando as colunas que sustentam as nossas bases de subsistência coletiva e individual via psicogenia nem sempre (ou nunca) congênita. Tanto os substratos quanto as suas escoras que regulam e que estabelecem essas pequenas massas são inteiramente substituíveis desde seu auto escalão que comanda todo o partido de baixo, sendo assim, sempre haverá o que ou quem os substitua nesta mesma classe sem se dissolver seus princípios ideológicos.

As mulheres adeptas ao novo estilo de vida correlacionado diretamente a arquétipos misóginos ligados ao feminismo tem sofrido sérias nuances desprovidas de qualquer aval do senso comum. Por tanto, elas preponderam com mais vigor estilos de vida em sua filosofia geral atitudes bastante incongruente em relação ao que de fato deveria ocorrer em seu comportamento, e por isso, tem se intensificado seus ataques infames ao patriarcado digno de todos nós homens no geral enfraquecendo assim toda a linha sucessória matriarcal.

Voltando ao ponto de origem, “não se deve combater o que te sustenta!”

A biologia deixou de ser citada nos veículos tradicionais de informação ao ponto que não se dar mais por fato ou verdade aquilo o que se tem como forma absoluta dando soluções pessoais ao que se refere a sexualidade ou forma intima de cada um dos indivíduos que, pressionados por posições nada relevantes se despedem da sanidade dando lugar ao estilo de vida à margem de suas formas convencionais.

O declínio então das mulheres e dos homens de hoje gira em torno do descredito em si mesmo.

Baixe este artigo em PDF

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Os comentários estão encerrados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: